FLUXO DE TRABALHO: ECONOMIA DE TINTA

Todos os dias a equipe Holdprint trabalha para providenciar o melhor produto e o melhor atendimento para nossos clientes.

Dentro disso, temos grande preocupação e interesse no que acontece dentro das empresas da comunicação visual e suas reais necessidades.

Um assunto que ouvimos bastante é a questão de economia, e até onde ideias gerenciais ficam ou saem do papel. Por isso abrimos a portas do nosso blog para ajudar nossos clientes e também, porque não, possíveis clientes a encontrar soluções gerenciais simples e efetivas nos seus fluxos de trabalho.

O post de hoje foi escrito pelo Marcelo Copetti da revista Grandes Formatos e tem uma ideia de fluxo de economia de tinta muito interessante.

O sistema de trabalho de um sistema com normalização de arquivos e economia de tinta pode trabalhar em cascata, com o objetivo de realizar tarefas sequenciais para que os arquivos recebidos possam ser processados sem a necessidade de uma pessoa estar disponível para realizar tais tarefas, e garantir que sejam realizadas. Nós podemos sempre esquecer de realizar as tarefas na sequência certa, e não esquecer de nenhuma delas. Dentro de um fluxo deste tipo podemos realizar tarefas como: normalizar os arquivos e converter as suas cores. Outras tarefas também podem ser realizadas como: aplicar curvas em cada uma das cores e a conversão de cores pode ser feita de diferentes maneiras.Vamos ver opções de fluxo para entendermos como podem ser construídos.

O primeiro fluxo é mostrado pela linha que inicia no arquivo com espaço de cores em ProPhoto. Este espaço de cores é especialmente utilizado por fotógrafos que capturam suas imagens com câmeras profissionais e querem o máximo de resultado dos seus trabalhos. Este espaço de cores ainda permite manter as cores fiéis a captura. Neste fluxo com um arquivo com apenas um espaço de cores é possível criar um fluxo onde ele seja direcionado diretamente para o resultado da saída escolhida, obtendo-se o máximo de resultado para o cliente, evitando uma conversão para um padrão CMYK, o que prejudica o seu resultado.

Fonte: Copetti, Marcelo; Revista Grandes Formatos Edição Julho 2014

FLUXO DE TRABALHO: ECONOMIA DE TINTA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *